/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

quarta-feira, fevereiro 09, 2011

Passadas as eleições, os pró-aborto aparecem novamente

Em outubro do ano passado, antes ainda do primeiro turno das últimas eleições, fiz aqui no blog uma postagem com a seguinte pergunta no título: "Afinal, onde se meteram os favoráveis ao aborto?"

Nesta postagem, eu falava sobre o silêncio sepulcral de feministas e abortistas sobre o tema do aborto durante as eleições, que então estava sendo discutido pela sociedade. Mesmo a grande mídia sempre fazendo seu papelzinho sujo de "melar" a discussão, não houve uma feminista/abortista que viesse a público e gritasse que Dilma devia se mostrar como ela sempre foi, favorável ao aborto.

A verdade é que os abortistas só não são mais pragmáticos do que enganadores. Como expliquei em outra postagem -- "As engolidoras de sapo"  -- os abortistas e feministas souberam muito bem manter o silêncio enganador, pois o momento não era propício. Para quem não perde a oportunidade de dizer que quer levar o debate sobre o aborto à frente, a falta de disposição mostrada por tais grupos só demonstra a falsidade esnobe deste pessoal.

Até Rose Marie Muraro, feminista guerreira, soube guardar a borduna bem no fundo da gaveta, declarando que se estivesse no lugar de Dilma faria a mesma coisa. Mas e o debate, feminista cara-pálida? Ora...

Mas o caso agora é outro... Passados já alguns meses da eleição, com Dilma já desfilando seus terninhos por Brasília, chegou a hora de faturar, não é mesmo? Provavelmente pensando assim, é que um grupo de esquerdistas -- Surpresa! -- resolveu lançar, em 12/01/2011, um Manifesto favorável ao aborto.

O documento é o blablablá esquerdóide de sempre. Quem lê um, leu todos; nada de novo. Aliás, é sempre a mesma empáfia a deste pessoal ao se portarem como porta-vozes de mulheres, de pobres, de oprimidos, etc. Sem que ninguém lhes tenha dado procuração, saem falando em nome do Brasil inteiro. E o delírio megalômano deste pessoal vai tão longe que até a filha de Raul Castro assinou o tal manifesto. Pois é, para um esquerdista, nada como a filha e sobrinha de ditadores sanguinários para dar aval a uma declaração. Só por isto dá para ver como funciona a cabeça deste pessoal.

Mas o que mais impressiona é o senso de oportunidade. Durante a campanha, os esquedistas encheram a mídia dizendo que o debate sobre o aborto durante a eleição era desnecessário, que o debate estava mal colocado, etc. Passadas as eleições e com Dilma já com o gabinete decorado, aí eles botam a fantasia de indignados, de preocupados com as mulheres pobres, etc. O mesmo papinho enganador de sempre.

Ou seja, como já dito aqui inúmeras vezes, esta gente quer debater coisa nenhuma. Quer manipular, enganar, dissimular, mostrar-se porta-voz de quem não lhes deu autorização. E é uma gente covarde, que foge do debate, que fica com o rabinho entre as pernas só esperando a oportunidade de sair da toca e lançar um manifestozinho chinfrim e com assinatura até de sobrinha e filha de assassino, como se isto lhe aumentasse a validade.

Até entendo este trabalho que eles fazem nas sombras. A enganação é o que lhes resta mesmo. Quando uma feminista/abortista se mete a falar verdades, a mostrar suas idéias à luz do dia, como fez a militante alemã Elfriede Harth, o que aparece é asqueroso, nojento, desumano. Mas isto é nada para quem acha que trucidar uma criança no ventre de sua mãe é um "direito"...


2 comentários:

Wagner Moura disse...

Hora de faturar!!! William, você não poderia ter usado termo mais próprio para esse assunto "mercantilista" que é o aborto no Brasil - e no mundo. Embora as feminazi estejam dando seus pulos de carnaval, repare que Dilma faz, como nunca, seu papel de poste. Gato escaldado... Tão cedo ela não vai querer se meter nessa conversa. Espero.

Jairo Entrecosto disse...

Boa tarde, usei uma citação sua neste video:

http://abortoemportugal.blogspot.com/2011/02/contra-o-aborto-em-portugal.html

Cumprimentos