/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

O genocídio dos negros norte-americanos

["O lugar mais perigoso para um afro-americano é o útero"]
Em Nova York, uma propaganda de um grupo pró-vida vem causando desconforto, para dizer o mínimo, entre abortistas e assemelhados daquela cidade.

Continue lendo:

https://contraoaborto.wordpress.com/2011/02/25/o-genocidio-dos-negros-norte-americanos/

5 comentários:

Ferdinand disse...

É bom que eles se incomodem, já é o começo de um despertar para a realidade. Os negros já foram usados, pelo movimento comunista via Marcuse e Escola de Frankfurt, como instrumentos para a revolução; e agora são mais uma vez usados, desta vez pelos eugenistas, para quererem seu próprio extermínio como se fosse um direito: inversão de sucesso fantástico que só poderia ter origem no inversor-mor desde o princípio, inimigo da espécie humana desde antes do aparecimento do primeiro homem.

Beatrice disse...

E as mães que fazem isso? Elas também são racistas? Tendo em vista que a grande maioria das mulheres que provocam o aborto são negras. Soa meio estranho, não?

William disse...

Não, nada estranho...

O racismo que ali vai é o que move tais organizações a priorizarem a abertura de clínicas de aborto junto a populações negras, facilitando, assim, a matança dos negros.

[]'s

Suzana Helcias disse...

Beatrice, sou negra, e do meu ponto de vista fica muito claro que os grupos pró-aborto na maior parte das vezes pretendem arvorar-se nossos porta-vozes.

Hamanndah disse...

Eu sou contra o ABORTO. Sou uma feminista humanista, sou a favor de homens e mulheres e crianças e animais e contra o ABORTO..

Como posso colocar no meu blog um BANNER que dá acesso a uma página anti-ABORTO?

eu sou feminista mas nao considero as feministas abortistas minhas porta vozes. São inimigas da causa pois colocam todas as mulheres no mesmo saco que elas,que colocam todas as mulheres como assassinas.

Uma mulher pode ser doce e meiga, sem ser submissa e cuidar de vida mais fraca. Aliás, o homem tambem. Todos nós.

Grata,
Hamanndah