/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Um comentário que merece resposta


Recebi um comentário anônimo interessante sobre o post anterior, que, de tão interessante, merece uma resposta especial. Merece até uma tradução simultânea para o Inglês desta mensagem, para facilitar o entendimento do comentarista anônimo.

Veio originalmente em Inglês, com erros e tudo:

========================
Hope you "stupid" human understand when your mather get raped and get pregnan later because of RAPE, then i'll see you if you still agains abort...
========================


Traduzindo:

========================
Espero que você, estúpido humano, entenda quando sua mãe seja estuprada e engravide por causa do ESTUPRO, então eu verei se você ainda permanece contra o aborto...
========================



Este é um belíssimo exemplo da delicadeza abortista. É esta delicadeza que impede que o remetente desta bela mensagem entenda que o fruto da concepção, qualquer que seja a forma como ele foi concebido, seja por violência, seja por amor, seja por descuido, é, assim como nós, um ser humano.

Vou colocar em pratos limpos para o fulano entender: sou contra o aborto em qualquer situação.

Isto quer dizer que:
  • Se minha mãe, se viva fosse, sofresse uma tamanha violência e engravidasse, eu me revoltaria contra a violência e exigiria justiça, mas tenha certeza que igualmente eu teria a alegria de ter um irmãozinho ou irmãzinha.
  • Se eu tivesse uma irmã e ela fosse estuprada e engravidasse, eu igualmente exigiria justiça, e adoraria ter um sobrinho ou sobrinha.
  • Se minha esposa sofresse uma violência sexual e engravidasse, além de exigir justiça, eu teria a renovada alegria de criar um filho ou uma filha.
  • Se qualquer de minhas familiares, amigas, conhecidas, desconhecidas, fosse estuprada e engravidasse, eu exigiria justiça e me alegraria porque Deus achou por bem colocar mais uma de suas criaturas entre nós.

Deu para entender, ou será necessário desenhar? E por que isto? Porque a questão do aborto é uma questão "preto-e-branco", ou se é contra totalmente ou se é a favor. Não existe meio termo.

Quando um abortista traz à tona casos limites como o da gravidez decorrente do estupro, não nos enganemos: isto não é devido a uma compaixão por estas mulheres sofredoras de violência; é apenas uma etapa que servirá para sua agenda abortista.

Dúvidas? Vejamos o que escreveu a feminista Leila de Andrade Linhares Barsted citando Danda Prado, no artigo "Legalização e descriminalização do aborto no Brasil - 10 anos de luta feminista", publicado na revista Estudos Feministas vol. 0 n° 0 do 2° semestre de 1992:

"(...) o único valor da proposta de lei sobre o aborto com indicação embriopática (...) a partir do ângulo da integridade e autonomia das mulheres, reside no fato de ampliar o leque de possibilidades de abortamento, como etapa tática para alcançar, dentro de uma estratégia de luta, a liberação mais ampla dos casos permitidos na lei para a interrupção da gravidez."

É isto aí! As feministas pró-aborto, quando brigam por aborto por motivo de estupro ou anencefalia ou outro defeito embrionário, o fazem apenas como "etapa tática" em seu objetivo principal: a liberação total do aborto. Não é compaixão, não é justiça, nada. É apenas cálculo. Um frio cálculo.

O remetente do post acha-se no "direito" de liberar o assassinato de um ser humano por causa do crime de outro. Eu abomino esta idéia e, para mim, quem advoga tal causa torna-se cúmplice de um crime.

Eu e o anônimo remetente estamos em lados opostos. Ele acha que o fruto da concepção pode ser eliminado pela vontade de alguém ou pelo crime de outro. Eu não. Eu sei que o fruto da concepção é um ser humano como outro qualquer e deve ser preservado.

6 comentários:

Fabrício L. Ribeiro disse...

Será que esse anônimo idiota já parou pra pensar que ele próprio poderia perfeitamente ser um filho resultante de um estupro, sem que ele tivesse qualquer culpa disso?!

O argumento dele é tosco, pra se dizer o mínimo.

Paz e Bem!

Wagner Moura disse...

Sinceramente eu não entendi nada que a feminista pró-aborto falou!! Não tinha um jeito mais fácil de dizer: vamos abortar geral?

Anônimo disse...

o cara ta certo msm...
se acontece uma gravidez por estrupo, tem mais é q ser tirada a criança msm...
e vc Fabricio, nao tem direito de chamalo de idiota pq ele espresso a opiniao dele!!
o idiota aki é vc!!

William Murat disse...

Meu caro Anônimo:

O "cara" está tão errado quanto você. Sabe por que? Porque tanto você quanto ele pensam que têm o poder de dizer quem deve ou não viver. Tanto você quanto ele se aproximam do pensamento de um dr. Mengele.

E eu entendo Fabricio: a "opinião" do fulano aí de cima é de uma idiotice sem par. Aliás, ele não expressou opinião alguma, apenas rogou uma praga, no melhor estilo de quem não tem argumentos.

[]´s

Anônimo disse...

tem essa nao...
o cara vira e te chama de idiota e vc fica ae protegendo ele!!
a minha opiniao ta la e quero ver alguem muda-las.
nao tenho medo de fala como vc nao!!!

William Murat disse...

Caro anônimo:

Teu problema é qual? Lê e não entende ou só entende o que quer entender?

E quem me chamou de idiota, ô inteligente? Leia novamente. Entendeu? Não? Leia de novo, e de novo, e de novo... Até aprender.

Tua "opinião" está registrada. Faço questão que ela fique aqui, não para que você a mude, mas para que outros possam ver o nível de quem defende o aborto.

"nao tenho medo de fala como vc nao!!!"

É, não tens medo, não... Só se esconde atrás do anonimato. Tua coragem é tanta que nem mesmo um nome fictício você é capaz de criar.

[]´s