/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

sexta-feira, setembro 25, 2009

Do blog BIODIREITO MEDICINA: Morte encefálica e transplante de órgãos

"(...) não se pode admitir que alguém seja levado à morte para poupar a vida de outrem. Então, toda a problemática referente aos transplantes esbarra num problema primeiro, incontornável: estará o doador realmente sem vida?

Não é suficiente que o futuro doador esteja desenganado pelos médicos. Pois a previsão pode falhar. E mesmo que fosse infalível, ou seja, que tal ou tal pessoa não pudesse de modo algum sobreviver, não seria lícito levá-la à morte para efeito de transplante.

Em situação tão delicada, compreende-se então, com facilidade, que a equipe médica necessita ter, atrás de si, critérios legais perfeitamente confiáveis de acordo com a moral, atualizados e firmes. É o caso dos adotados no Brasil?"

Tomei conhecimento desta matéria publicada na revista
Catolicismo através do blog Biodireito Medicina. Os desdobramentos éticos do assunto são importantíssimos e a leitura deste texto é muito esclarecedora.


2 comentários:

Carlos disse...

Tomei conhecimento do texto apenas através do trecho que o senhor aqui coloca. Mas gostaria de demonstrar-me desfavorável aos argumentos usados. Primeiro, não se leva à morte alguém para que outro tenha vida. Desconheço, na atualidade, "milagres" ou relatos que tenham mostrado ser possível alguém voltar à vida (caminhar, falar, sentir... estar de fato presente fisicamente entre os seus que ainda estão vivos) depois de se ter o disgnóstico de morte encefálica confirmado. A religião de cada um deve ser respeitada, assim como o direito à vida daquele que ainda pode viver (o receptor de um órgão) e o direito a uma morte digna daquele que já não viverá mais. Os avanços da ciência devem ser aceitos como avanços, não podemos mais ficar arraigados a pensamentos arcáicos e que benefício nenhum trazem ao bem-viver.

William Murat disse...

Sr. Carlos:

O senhor deveria, antes de tudo, ir ler a matéria indicada. E se quiser e tiver disposição para o assunto, no mesmo blog indicado existem outros artigos sobre o tema.

E o senhor pegou o bonde andando... Não é porque eu, católico, indico um texto, que o mesmo tem a ver com a Fé CAtólica. O mesmo vale para a matéria publicada na revista "Catolicismo". Dúvidas? É simples: é só o senhor ir ler a matéria indicada antes de sair escrevendo coisas sem sentido.

Acho muito curioso o senhor vir aqui falar de "pensamentos arcaicos" quando nem se dá ao trabalho de ler.

Ler um trecho que apenas destaquei, e que nem mesmo faz parte da entrevista e que é o mais importante, e concluir que já tomou conhecimento dos argumentos elencados, só mostra que o senhor não tem a mínima idéia do que está sendo mostrado.

Conselho: se quiser abordar o assunto, vá ler o texto indicado.

[]'s