/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

sexta-feira, julho 17, 2009

A quixotesca feminista malufista


Pois é... A entediante Senhora Boring -- quem já a leu, sabe que a hipérbole bilíngüe é merecida -- continua enchendo as caixas de correio com seus comentários retirados do mundo de fantasia em que ela resolveu viver. Mais uma vez chegou uma mensagem não solicitada em meu correio, desta vez ela se incomodou com um post sobre ela mesma.

Mas ela é divertidíssima, e, bem ao contrário do que sua fantasia delirante a fez afirmar, pelo menos aqui ela não é persona non grata. É aqui muito bem-vinda! Ajuda a dar um toque de humor em um blog que trata de um tema tão sério. Por enquanto, vamos brincando, Senhora Boring.

Jamais achei que um dia eu seria obrigado a citar Galvão Bueno, que acho um dos caras mais chatos do planeta -- mas que perde de longe para a Senhora Boring --, mas tenho que dar o braço a torcer e afirmar junto com o nauseante locutor: "Eu já sabia!"

Eu já sabia que teria que repetir tudo novamente. Eis a prova, constante na última postagem:
"Dizem que uma das definições de loucura é exatamente uma pessoa fazer a mesma coisa repetidas vezes esperando resultados diferentes. Bem... Estarei esperando a senhora escrever as mesmas asneiras para que eu repita novamente o óbvio. E depois novamente. E novamente... E novamente..."
E não é que ela, em nova mensagem para sua listinha, repete as mesmas asneiras? Quem já teve o prazer cômico de acompanhar os comentários da Senhora Boring em outros blogs sabe que isto já era esperado.

A coisa funciona mais ou menos assim: ela lê algo e, em suas loucas fantasias, fica indignada; vocifera comentários dos tipos que pudemos ler na postagem anterior, um monte de blá-blá-blá que nada tem a ver com o que foi escrito; alguém lhe responde mostrando que suas asneiras só fazem sentido na Ilha da Fantasia que se esconde sob seu couro cabeludo; não satisfeita, ela volta ao ponto inicial, agora mais indignada.

Eu já soube de crianças que, contrariadas, davam cabeçadas na parede. Parece que a diferença entre elas e a Senhora Boring é que elas cresceram e aprenderam.

De qualquer modo vamos a mais uma mensagem da Senhora Boring para sua listinha. A diversão é garantida!

GENTE, OLHE COMO SÃO AS PESSOAS!

QUANTO ÓDIO E QUANTA INTOLERANCIA CABEM DENTRO DE UM SER HUMANO?


O PIOR QUE ESSE TIPO DE PESSOA É O QUE SAI COM BANDEIRAS SE DIZENDO A FAVOR DA VIDA?


COMO ALGUÉM PODE ACREDITAR NA SUA "LUTA PRO VIDA" SE ELE PREGA O ÓDIO E A INTOLERANCIA?


COMO AKGUÉM, QUE ACREDITA ESCREVE ESSA PÉROLA DA SABEDORIA "Aparentemente, para as feministas, quando se fala de estupro, seu lema é, a la Maluf, "estupra mas não mata". " PODE SER LEVADO A SÉRIO?


REITERO O QUE DISSE, NÃO SEI SE ESSA PESSOA TEM MÃE, MULHER, IRMÃ OU FILHAS.


NÃO SEI O QUE ESSA PESSSOA PENSA A RESPEITO DAS MULHERES DE SUA FAMILIA ( SE AS TEM ) E DAS MULHERES EM GERAL.


MAS COM CERTEZA É O TIPO DE HOMEM QUE NÃO RESPEITA A MULHER.


NÓS QUE SOMOS MÃES, ESPOSAS, FILHAS E IRMÃS.


NÓS, MULHERES, QUE NUMA MAIORIA IMENSA, CUIDAMOS ATÉ ECONOMICAMENTE DE NOSSOS FILHOS, POIS MUITAS DE NÓS FOI ABANDONADA PELOS COMPANHEIROS AO SABEREM QUE SERIA PAI, E CUIDA COM AMOR E SACRIFICIO DO FILHO.


XXXXXX


XXXXXX

XXXXXX

XXXXXX

SERÁ QUE O SUBSCRITOR DESSE "MAGNÍFICO" TEXTO É A FAVOR QUE AS MULHERES VIVAM?

OU SERÁ QUE ELAS TÊM QUE SER MORTAS, AO SEREM ATACADAS, POR SERES QUE VIVEM NAS TREVAS, OS QUAIS ME RECUSO A CHAMAR DE HOMEM?


QUE TIPO DE GENTE É ESSA PESSOA?


QUEM É A MULHER PARA ELE?


UMA "IMCUBADEIRA" ? CADÊ O TÃO PROPALADO RESPEITO PELA VIDA?


QUE VERGONHA ESSE TIPO DE PESSOA, AINDA VEM PÚBLICO OFENDER AS MULHERES, E SE ACHA MUITO MAS MUITO INTELIGENTE.


GRAÇAS A DEUS, SOU CONSIDERADA UMA "PERSONA NON GRATA", EM SEU MEIO, POIS AFINAL, QUEM É O "ESTUPRADOR" DAS MULHERES NESSE TEXTO?


QUERO VER SE OS "ALIADOS" DELES DARÃO A DIVULGAÇÃO DA RESPOSTA...


NOSSA SENHORA QUE NOS PROTEJA!


PS. SÃO MAIS DE 500 PESSOAS QUE RECEBERAM ESSA MENSAGEM
Eis aí mais uma "resposta", que é como ela chama seus comentários a interpretações fantasiosas que ela insiste em fazer dos textos alheios. O curioso é que ela evita comentar o real sentido do texto, preferindo muito mais usar de chamadas emocionais baseadas em seus delírios de inverno para incitar uma turba de 500 internautas contra mim.

A mensagem segue como veio, com erros e tudo. A única coisa que alterei -- "XXXXXX" -- é onde a Senhora Boring faz comentários sobre suas relações familiares totalmente desnecessários. A caixa alta é dela mesma, indicando que a raiva da Senhora Boring está acumulando, atingindo ponto de ebulição.

Mas será que há algo para comentar nesta "resposta"? Bem... Resposta não é mesmo, convenhamos. Pois quem é que começa uma resposta assim -- "GENTE, OLHE COMO SÃO AS PESSOAS!"? Ela não responde, muito devido à sua conhecida incapacidade de argumentar, mas também devido a isto não ser seu objetivo, ela quer mesmo é arrumar aliados, mesmo que à custa da verdade, coisa pela qual ela jamais demonstrou qualquer aprêço.

Embora a simples exposição da "resposta" já seja o necessário para suficiente divertimento, há algo a ser comentado. Há trechos que merecem destaque, até mesmo por uma questão de aprofundamento no mundo cômico da Senhora Boring.

Como não rir quando lemos "QUANTO ÓDIO E QUANTA INTOLERANCIA CABEM DENTRO DE UM SER HUMANO?" ? Como não imaginar a Senhora Boring em um palco, bradando tais palavras a uma imaginária multidão delirante? Senhora Boring não responde e não argumenta; a única coisa que ela faz á panfletar, esperando arrumar uma turba de internautas.

Como não gargalhar ao ler "NÓS QUE SOMOS MÃES, ESPOSAS, FILHAS E IRMÃS." E o mais cômico é que a frase termina assim mesmo, sem qualquer complemento do que ela tentava dizer. Até mesmo o Lula, o presidente ilusionista, sabe que ao começar uma frase com o seu conhecido "Companheiros e companheiras" deve continuar e falar alguma besteira. A Senhora Boring, não. Para ela, basta falar "NÓS QUE SOMOS BLÁ-BLÁ-BLÁ" e isto basta para dizer algo.

Ela pensa mesmo estar juntando uma turma do barulho para lutar contra uns tantos moinhos-de-vento. Ela é, digamos assim, uma Dona Quixote do mal. O célebre personagem de Cervantes tinha altos ideais, mas a Senhora Boring os substitui pela baixeza de criar um mundo de fantasia próprio e querer encaixar nele o resto do mundo.

O mundo fantasioso da quixotesca Senhora Boring é tão amalucado que ela é incapaz de escrever uma frase seguida a outra que faça sentido:
"NÃO SEI O QUE ESSA PESSSOA PENSA A RESPEITO DAS MULHERES DE SUA FAMILIA ( SE AS TEM ) E DAS MULHERES EM GERAL.

MAS COM CERTEZA É O TIPO DE HOMEM QUE NÃO RESPEITA A MULHER."
Ou seja, ela não sabe o que eu penso sobre as mulheres, mas ela tem certeza que não as respeito. Quem é que consegue entender uma coisa destas? Ela combate ou não moinhos de vento criados sabe-se lá em qual canto obscuro de sua cabecinha?

Mas o errado sou eu mesmo... Confesso! Estou muito errado em cobrar o mínimo de coerência de um ser que nasceu do cruzamento do pior do malufismo com o melhor do feminismo. Só podia mesmo dar nisto que está aí: uma criatura que não argumenta, panfleta; uma criatura que não pensa, fantasia; uma criatura cuja única coisa que sabe bem fazer é portar-se como uma criança mimada que bate a cabeça na parede quando contrariada.

E ainda tem a capacidade de lançar desafios para que "aliados" -- mais moinhos-de-vento! -- divulguem sua "resposta". Nem preciso de aliados, Senhora Boring, sou em mesmo que publico suas asneiras como um monumento contra a truculência e a ignorância de quem só quer criar confusão e agitar uma patotinha. Talvez isto funcione no jardim-de-infância, mas aqui a coisa é mais séria.

A invocação a Nossa Senhora é providencial! Que Nossa Senhora a proteja, principalmente dela mesma.

2 comentários:

Fabrício L. Ribeiro disse...

Excelente, meu amigo! Certas pessoas não se enxergam.

É preciso fazer a Verdade resplandecer como um estandarte, e colocar a mesquinhez em seu devido lugar.

Assim que eu conseguir acessar meu blog, reproduzirei por lá sua belíssima manifestação.

Paz e Bem!

Léo disse...

"Mas o errado sou eu mesmo... Confesso! Estou muito errado em cobrar o mínimo de coerência de um ser que nasceu do cruzamento do pior do malufismo com o melhor do feminismo. Só podia mesmo dar nisto que está aí: uma criatura que não argumenta, panfleta; uma criatura que não pensa, fantasia; uma criatura cuja única coisa que sabe bem fazer é portar-se como uma criança mimada que bate a cabeça na parede quando contrariada."

Perfeita definição! Quem conhece essa dona de outras "épocas" sabe do que ela (não) é capaz.

Abraços e fiquem com Deus,

Léo