/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

terça-feira, julho 21, 2009

A marcha da super-interina


A cada dia que passa mais parece que a interinidade da Dra. Deborah Duprat não foi acaso. Um jornalista interessado poderia fazer muito bem a este país tentando destrinchar afinal o que aconteceu para que Dra. Duprat assumisse o cargo de Procuradora-Geral da República e iniciasse ações totalmente polêmicas e que, segundo ela, visam a "mudanças na estrutura desta sociedade".

Nunca é demais lembrar que no Brasil pós Constituição de 1988 jamais houve "vácuo" na troca de gestões dos titulares do cargo de Procurador-Geral da República. Isto é coisa que só o Lula faz pela gente.

Desta vez, o pacotão da Dra. Duprat vem com ações junto ao STF que alegam que manifestações a favor das drogas constituem liberdade de expressão e de opinião. E isto mesmo após o Dr. Roberto Gurgel já ter tido sua nomeação ao cargo de titular da Procuradoria-Geral da República publicada no Diário Oficial da União, com posse marcada para amanhã, 22/07/2009. Mas não há tempo ruim com a Dra. Duprat.

Dra. Duprat como Procuradora-Geral Interina podia fazer tanta coisa mais importante... Poderia, quem sabe?, atuar na gravíssima crise que envolve o Senado Federal, tentando impedir que o povo seja lesado pelos inúmeros picaretas de terno e gravata.

Mas que ilusão, não é mesmo? O mais importante mesmo é lutar para que o pessoal que quer o direito de dar um tapinha sossegado, os mesmos que fariam muito bem em ao menos enxergar suas fartas contribuições para o crime organizado, o importante é fazer com que as passeatas deste pessoal não sejam impedidas.

E o que diz Dra. Duprat? Isto aqui:
"O fato de uma ideia ser considerada errada ou mesmo perniciosa pelas autoridades públicas de plantão não é fundamento bastante para justificar que a sua veiculação seja proibida. A liberdade de expressão não protege apenas as ideias aceitas pela maioria, mas também - e sobretudo - aquelas tidas como absurdas e até perigosas. Trata-se, em suma, de um instituto contramajoritário, que garante o direito daqueles que defendem posições minoritárias, que desagradam ao governo ou contrariam os valores hegemônicos da sociedade, de expressarem suas visões alternativas"
Faltou a doutora lembrar que a idéia "considerada errada ou mesmo perniciosa pelas autoridades públicas de plantão" é um crime que tem conseqüências muito graves para a sociedade. Ela, carioca, deveria saber que sua cidade-natal tornou-se refém de traficantes acastelados em morros exatamente porque inúmeros governantes, mais preocupados com votos do que com o bem estar da população, deixaram a situação tornar-se insuportável.

E, para quem defende a "Marcha da Maconha", por que parar por aí? Não poderemos pensar no belíssimo futuro em que teremos uma "Marcha da Cocaína"? Ou quem sabe a "Marcha do LSD"? Ou a "Marcha da Heroína"?

É isto mesmo? Vale tudo, então?

Ah... Mas é claro que não vale tudo. Vá fazer uma marcha pela família, ou contra o avanço da agenda gay. Aí é demais! Não se acharia um procurador para defender tais manifestações.

2 comentários:

Eduardo Araújo disse...

Caríssimo William,

Rapaz, o mais incrível que me ocorreu após ler o seu texto foram as seguintes palavras da procuradora interina:


"O fato de uma ideia ser considerada errada ou mesmo perniciosa pelas autoridades públicas de plantão não é fundamento bastante para justificar que a sua veiculação seja proibida. A liberdade de expressão não protege apenas as ideias aceitas pela maioria, mas também - e sobretudo - aquelas tidas como absurdas e até perigosas"


Sabe por quê?

Porque o maldito governo esquerdista que está na base de todas essas pretensões funestas de engenharia social considera perigosa a opinião de quem é contra o gayzismo, mas não respeita a liberdade de expressão dessas pessoas - eu estou entre elas - e quer barrar-nos qualquer veiculação pública de nosso ponto de vista, taxando-nos de "homofóbicos" e construindo um estigma perverso sobre nós.

Enfim: haja hipocrisia dessa gente. A coisa é de tal envergadura que sequer eles se preocupam em ao menos manter as aparências ou fingir alguma coerência.

Abraços

William Murat disse...

Prezado Eduardo:

Perfeito! São uns hipócritas mesmo. Quando lhes convém, quando se encaixa na agenda deles, é "liberdade de expressão"; quando não, é "homofobia".

E tudo isto sob os olhares embevecidos da imprensa vendida, da academia decadente e cooptada, da omissão silenciosa da OAB. A cada dia vamos nos tornando um país mais e mais patético.

[]'s