/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

quinta-feira, julho 16, 2009

A entediante feminista malufista


Recebi em meu e-mail pessoal uma mensagem não solicitada. Sei lá como esta senhora (a quem chamarei de Senhora Boring) tomou conhecimento de meu endereço, mas o fato é que ela nem mesmo atendeu às solicitações para que eu saísse de sua lista. Que nada... Ela, talvez achando-se o supra-sumo da sabedoria, vai enchendo as caixas de correio alheios com as maiores besteiras que lhe vêm à cabeça.

Já que a referida internauta também se exime de mostrar a quem repassa seus e-mails quais são os destinatários de suas asneiras, evitando assim que os destinatários possam receber uma resposta da parte que foi atacada pela truculência da remetente, segue aqui uma resposta a uma mensagem desta senhora, pessoa que eu jamais quis em minhas relações e à qual já até solicitei para deixar-me de fora dos destinatários de suas asneiras.


Aliás, mal sabe a senhora que seus e-mails e dizeres tornaram-se motivo de jocosos comentários na blogosfera nacional. Ela ainda vai longe... A continuar no ritmo que está, tornar-se-á digna de um verbete em alguma Wikipedia da vida. O significado do nome da senhora será conhecido talvez nestes termos:
-- Pessoa incoerente, capaz de afirmar uma fé que não vivencia. Exímia produtora de juízos temerários, é portadora de uma incrível capacidade de distorcer o pensamento alheio para que caibam em seus parâmetros diminutos e provincianos.
Ou coisa parecida. Mas que haveremos de fazer, não é mesmo? Temos que conviver com tais tipos na internet. Não divulgo seu nome apenas por respeito a seus familiares, que não têm culpa por serem obrigados a compartilhar o nome de família que esta senhora insiste em arrastar na lama, virando motivo de chacotas digitais.

Mas é melhor mostrar logo o que Senhora Boring escreveu:

Recebi esse email hoje, e fiquei impressiona com o ABSURDO que está escrito!
Como pode, um homem dizer uma barbaridede dessa?

O que leva um homem a escrever esse lixo?

Qual mulher "queima sutiam" hoje em dia?

Será que ele pensa que é bom andar sem sutiam?

Será que ele tem mãe, ou irmã, ou mulher ou filhas?

E se as tem, será que as respeita? ( ou as quer mártires de SUA fé )

Será que ele é misógino?

Não dá para entender, uma pessoa, homem ou mulher pensar dessa forma, o que dirá escrever...

Esse tipo de homem que defende a "martirização" das mulheres é tão diferente dos islamicos que vivem para morrer como mártires?

Só que aqueles, dão a SUA vida por sua fé e esse quer que as mulheres morram ...

Realmente, não podemos comparar esse é a covardia em pessoa.
O motivo da raivosamente espumante revolta da senhora internauta? O post em que comparo feministas a malufistas. Não aos malufistas em geral, seja isto bem entendido, mas a qualquer malufista que concorde com as famosas palavras do conhecido político: "Estupra, mas não mata".

Pois a senhora pode babar de raiva mais um pouco: reitero tudo o que escrevi. E mais ainda, exponho os absurdos (estes, sim, verdadeiros) que ela escreveu.
Qual mulher "queima sutiam" hoje em dia?
Será que ele pensa que é bom andar sem sutiam?
Não sei o que é pior, se a patológica incapacidade de entender uma ironia que seria capaz de fazer rir a uma criança em cueiro ou a desnecessária e descabida pergunta sobre o que eu penso sobre como as mulheres gostam de andar.

Não é à tôa que os comentários da senhora fizeram tanta gente feliz, pois como não rir de quem escreve tamanha asneira após ler um texto como o que escrevi? Ganha um doce quem conseguir explicar como a senhora consegue perguntar "é bom andar sem sutiam?" após ler a postagem em referência.

Mas cuidado! Tentar entender como a mente de tal senhora funciona pode trazer sérios danos a um cérebro são.
Será que ele tem mãe, ou irmã, ou mulher ou filhas?
E se as tem, será que as respeita? ( ou as quer mártires de SUA fé)
Será que ele é misógino?

Faltou a Senhora Boring explicar o que isto tem a ver com o que escrevi. Bem... Faltou nada! E alguém consegue entender qualquer coisa que ela tenta explicar? Sua incapacidade de expressão só é superada por sua incapacidade de compreensão.

Seus períodos, curtos e inexpressivos, e a falta de encadeamento nas idéias, deixam transparecer um pensamento que parece mover-se aos soluços ou, talvez, como o cambalear de um bêbado procurando algum apoio que evite a queda iminente. Mas o utópico poste da Senhora Boring jamais chega, pois sua capacidade de argumentação é comparável a de um papagaio mal treinado. E para compensar isto, que faz a Senhora Boring? Ora... Enche seus comentários de distorções e trechos emocionais, procurando ganhar através da artificial indignação e da mentira o que ela é incapaz de conquistar por uma correta argumentação.

Com o triste trecho acima, a Senhora Boring queria tentar jogar para sua galera (sua listinha secreta de e-mails) que eu desrespeito as mulheres. E como as desrespeito? Segundo ela, assim: fazendo uma postagem em que mostro que feministas criam falsas controvérsias por causa da veneração a Santa Maria Goretti, dizendo que isto é sinal de que a Igreja apóia a violência contra as mulheres.

Ou seja, eu escrevo uma postagem em que defendo a posição da Igreja, de que esta não é -- como jamais foi -- a favor de violência contra as mulheres e a senhora diz que sou desrespeitoso em relação às mulheres. É ou não para rir?

Dizem que uma das definições de loucura é exatamente uma pessoa fazer a mesma coisa repetidas vezes esperando resultados diferentes. Bem... Estarei esperando a senhora escrever as mesmas asneiras para que eu repita novamente o óbvio. E depois novamente. E novamente... E novamente...

Talvez ela pense que quem respeita as mulheres são as feministas, que à falta da luta pelo direito ao voto ou de alguns sutiens para queimar (é ironia, hein!), agora têm como única bandeira o aborto. Isto que é respeito pelas mulheres, não é mesmo? E o respeito pelos não nascidos? Estes não contam? Ou será que eles têm menos valor que, digamos, o direito de uma graduanda terminar seu período letivo?

Mas uma das coisas boas é que ela aprendeu uma palavra nova. Faltou apenas aprender o significado de misoginia, pois se tivesse aprendido não escreveria a asneira que escreveu.
Esse tipo de homem que defende a "martirização" das mulheres é tão diferente dos islamicos que vivem para morrer como mártires?
Só que aqueles, dão a SUA vida por sua fé e esse quer que as mulheres morram ...
O melhor ela guarda para o final! É aqui que sua patológica incapacidade de compreensão do pensamento alheio mais se mostra aguçada!

Ganha outro doce quem conseguir provar que eu defendi "martirização" de mulheres em meu texto. Isto é coisa que só uma mente afeita às ficções em que vive poderia concluir.

Defendi -- e defendo! --, mesmo sob o ódio babento de quantos forem, que o martírio de Santa Maria Goretti, que fez mais pela valorização da mulher que qualquer feminista de meia-pataca, não seja manchado com artificiais controvérsias criadas com a única intenção de atacar a Igreja.

E o que faz a Senhora Boring, que em mensagens anteriores também não solicitadas anunciava-se como "católica praticante"? Não só não defende a veneração e a importância de Santa Maria Goretti, como ainda diz para sua patota que eu quero que as mulheres morram.

Quem lê estes absurdos entende bem porque esta senhora tornou-se uma das maiores chacotas da internet, principalmente entre os blogueiros católicos.

***

Esta postagem nem pode ser chamada de uma resposta; trata-se mais de uma exposição de absurdos produzidos por uma mente doentia, uma mente que gasta seu tempo não para esclarecer, não para lutar pela verdade e tampouco para evangelizar ou fazer um sadio apostolado, preferindo muito mais tecer intrigas, criar confusões, distorcer o pensamento alheio, anunciar mentiras, etc.

Mas o mais curioso é que, ao incomodar-se com o que escrevi, é de se esperar que a Senhora Boring, caso tenha mesmo um mínimo de coerência -- seria pedir muito? --, concorde totalmente com a tal controvérsia artificialmente criada por algum grupo feminista interessado apenas em atingir a Igreja. E concordando com a controvérsia, a Senhora Boring cai nos braços da declaração malufiana: "Estupra, mas não mata".

Ou seja, ao final, o que se tem é que a Senhora Boring é malufista.

Subitamente, tudo faz sentido.



Um comentário:

Thiago disse...

Isso tem uma explicação lógica: DDRL!