/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

domingo, abril 03, 2011

Os assustadores números do aborto em Portugal


"DESDE QUE PORTUGAL APROVOU O ABORTO OS NUMEROS SÃO ASSUSTADORES"

É com esta frase que a blogueira portuguesa Taiana Froes inicia uma ótima postagem em seu blog, onde ela nos mostra algumas estatísticas que mostram o quanto Portugal vai já, apenas 4 anos após a liberação do aborto naquele país, mergulhando fundo na Cultura da Morte.

Eis apenas alguns números:
  • Desde a liberação do aborto, mais de 65.000 já foram mortos antes de seu nascimento
  • 21% dos abortos realizados em 2009 foram feitos por mulheres que já haviam abortado por opção
  • Em 2009 houve redução do número de abortos nas camadas menos instruídas e um aumento nas camadas com mais instrução.

São apenas 3 exemplos, mas que permitem bem ver a lama em que Portugal começa a chafurdar.

A média de mais de 15.000 abortos anuais já coloca esta cruel prática como a 3a. causa de morte naquele país.

O segundo exemplo é indicador, bem ao contrário do que os abortistas clamam por aí, que a liberação do aborto causa exatamente que esta prática seja usada como método de controle da natalidade. A recorrência ao aborto por quem já o praticou, mais de 1 a cada 5 casos, demonstra que há pessoas que já o encaram não como "última saída" como querem as feministas/abortistas e assemelhados, mas como método corriqueiro.

O último dado indica que mais uma enganação dos pró-aborto cai por terra, como sempre acontece. É um método já batido dos defensores da liberação do aborto dizer que assim o fazem por uma extrema preocupação com as mulheres mais humildes. Aqui no Brasil, o PT de Lula, Dilma e outros criou até o termo de que tudo se reduz a um "problema de Saúde Pública", coisa inexistente, como demonstram os próprios dados oficiais do Governo.

Mas o aumento da prática do aborto entre a camada de mulheres mais instruídas demonstra exatamente que são as mulheres que mais utilizam contracepção artificial e que mais têm acesso à educação que vão já migrando para o aborto como um método de regulação da natalidade como qualquer outro. Ou seja, aquele discurso abortista de que o aborto é usado como último recurso é a enganação de sempre.

Rezemos muito por Portugal!

Leia mais no blog "Temas polémicos da Igreja Católica".

Um comentário:

Taiana Froes disse...

Ficou mto bom o seu post!! Muito obrigada pelas referências. Realmente é mto triste a situação de Portugal e pelos numeros se comprova mto bem os argumentos falhos dos abortistas...