/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

terça-feira, setembro 09, 2008

Sobre Igreja e conversões


A Campanha por Conversões, da qual este blog participa, vem dando a mim e também aos meus companheiros blogueiros a oportunidade de termos contato com uma realidade bem interessante.

Quem diria que o simples fato de rezar e pedir a outros que rezem pela conversão de alguém poderia produzir as mais diversas reações? Houve quem se indignasse com a "petulância" de nós, católicos, em rezar por Ana Paula Valadão. Houve quem interpretasse este gesto como uma provocação.

Não poderiam estar mais enganados... O que sei é que eu e outros rezamos para que aumente o número de cristãos em comunhão com a Igreja de Cristo. Não há bem maior do que ter Cristo no coração e estar em comunhão com Sua Igreja.

Mas um outro tipo de reação é a daqueles que acham que isto é praticamente uma perda de tempo. Até mesmo entre alguns católicos isto acontece, infelizmente. Há até mesmo os que de muito boa-vontade crêem que estamos "chovendo no molhado" ao rezarmos pela conversão de pessoas religiosas mas não-católicas.

Foi uma mensagem neste sentido que recebi recentemente como comentário no primeiro post da Campanha por Conversões. Ygor é o nome do leitor que aqui chegou procurando dados sobre aborto e deparou-se com um post sobre conversões. Primeiramente, segue a mensagem de Ygor na íntegra; depois, meus comentários.

======================================
Olá amigo estava eu pesquisando sobre o aborto e encontrei um excelente tópico aqui no seu blog, estendi minha leitura para "Campanha por conversões"...


Bom para não me alongar muito vou apenas expor um ponto de vista para uma amigável análise.


Por muito tempo nossos irmãos protestantes insistem em converter pessoas para seu modo de crer, assim tb vem fazendo a Igreja Católica (a qual pertenci por muito tempo), algumas religiões almejam o título de Igreja Verdadeira. Na Bíblia Jesus nos diz que habita no coração dos homens e não em templos que contruimos, ja pensou se em vez de disputas igrejistas a humanidade se unisse em prol da paz, do amor fraterno, do respeito multuo...


A verdadeira igreja seria o ser humano em comunhão com o próximo e com o Amor Puro, concordo que Igreja e religiões são de grande ajuda para atingir tal meta, mas com o respeito as diferenças ajudaria muito mais.


Hoje sou uma pessoa melhor, estou conseguindo erguer a igreja do amor dentro de mim, no meu dia-adia.


Admiro desde Pessoas como o Papa João Paulo II, como o atual Dalailama (Lider Budista), ate CHico Xavier (Espírita), são apenas três dos muito que lutaram e fizeram pela unificação dos movimento Pró-Amor, pessoas como eles me fazer acreditar que um dia haverá uma só Igreja e um so Pastor.


Igreja=O ser Humano Integral

Pastor= O Amor Puro (Jesus, Deus, Krisna, Buda...)


FOrte Abraço!


Ygor
======================================



Caro Ygor, primeiramente uma campanha como esta não é feita para que este ou aquele grupo faça parte do nosso "modo de crer". Não, em absoluto. Não se está aqui falando de estilos ou coisa parecida, o ponto principal é a PLENA COMUNHÃO com a Igreja de Cristo.

Você escreveu que "Na Bíblia Jesus nos diz que habita no coração dos homens e não em templos que construímos (...)". Creio que você estava querendo se referir ao seguinte trecho do Evangelho de São João:

"Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada." [São João, 14:23]

Com certeza, podemos dizer que a Trindade habita no coração dos homens que o abrem para a Verdade, mas veja o que Jesus também disse:

"E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. " [São Mateus, 16:18]

Foi o próprio Jesus Cristo quem disse que edificaria Sua Igreja tendo Pedro como o fundamento, o sustentáculo. E este fundamento é imperecível, pois para que as portas do inferno não lhe façam dano é necessário que este sustentáculo não seja passível de corrupção.

Creio que o amigo olha para a Santa Igreja apenas pelo seu lado humano, e é exatamente aí que está o seu engano. O que menos importa são os "templos que construímos"! Católicos convertem não para que suas Igrejas fiquem lotadas de "fiéis", mas, sim, para que a vontade do Pai seja feita. Nosso Senhor Jesus Cristo veio ao mundo e edificou uma Igreja, uma ÚNICA e VERDADEIRA Igreja, e Ele quer que suas criaturas amadas salvem-se através desta Igreja. Não fosse assim, por que Ele haveria edificá-la?

Jesus realmente quer habitar no coração do homem, mas é contraditório querer reter apenas uma parte de Sua mensagem. Eis o que Nosso Senhor também falou:

"Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus." [São Mateus 7:21]

Ao edificar uma Igreja, tendo como sustentáculo, como fundamento, a Pedro (o Papa), Jesus estava cumprindo a vontade do Pai -- "Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e cumprir a sua obra" [São João 4:34]. Como então pode alguém em sã consciência relativizar a importância da Igreja nos planos de Deus, como se isto fosse apenas um detalhe?

Por isto é que teu entendimento de que "Igreja e religiões são de grande ajuda para atingir tal meta" vai muito errado. Vai errado não porque eu, William, assim o acho; vai errado porque um tal pensamento simplesmente deixa de lado a vontade do Pai Eterno, demonstrada pelo ato de Nosso Senhor Jesus Cristo em edificar uma (e apenas uma!) Igreja. A Santa Igreja não é uma "grande ajuda", ela é o caminho ordinário para a salvação.

Deu para entender porque uma campanha por conversões como a que estamos fazendo nada tem a ver com "disputas igrejistas"? Conversão, para os católicos, é bem diferente de apenas trazer alguém para o seu lado porque "é legal". É uma ordem que procuramos cumprir, é a vontade do Senhor Deus para a qual humildemente tentamos contribuir.

Por tudo isto é que não faz o menor sentido teu pensamento segundo o qual "Igreja = O ser humano integral". Faz menos sentido ainda quando você coloca Deus Pai e Deus Filho lado a lado com Buda e Krishna. É pena que você tenha abandonado o seguro caminho da Igreja de Deus por uma concepção não apenas errônea do que realmente é a Igreja, mas também que tenha praticamente criado uma "espiritualidade" puramente personalista, que parece encaixar perfeitamente nos limites impostos por você mesmo.

Despeço-me com um fraternal abraço! Rezarei por tii. Peço-te que reze também por este humilde e inútil servo.

2 comentários:

Eduardo Araújo disse...

Caro William, pareceu-me que a afirmação do Ygor (corrija-me você ou ele se estiver errado) remete-nos, na verdade a uma interpretação equivocada de um texto apócrifo de Hag Hamadi, chamada Evangelho de Tomé, o Dídimo.

Esse texto corresponderia, segunda o grupo que o escreveu às palavras do próprio Jesus ditadas ao apóstolo Tomé.

Naturalmente, afora a presunção de autoria, passagens como a mencionada não têm o sentido que o filme Stigmata, de modo bem rasteiro, usou, como se a passagem se reportasse a templos.

Sabe-se que a comunidade dos textos de Nag Hamadi defendia na verdade a vida no deserto, em confronto com a habitação citadina. Parece ter sido comum esse tipo de religioso, de que são exemplos também os essênios da Palestina no tempo de Cristo.

Enfim, a tese em detrimento da reunião em templos não consegue fundamento seja nos Evangelhos autênticos, seja nos textos apócrifos que pretendem esse título.

Escrevi por suposto. Talvez o Ygor nem sequer tenha pensado no "evangelho" atribuído a Tomé.

Abraços

William Murat disse...

Caríssimo Eduardo:

PAX!

Muito obrigado por teu comentário esclarecedor.

Não sou conhecedor dos apócrifos e procurei nos Evangelhos uma citação que pudesse se aproximar mais da afirmação de Ygor.

Também não sei se Ygor citava o apócrifo por você referido, mas podemos ver que é coisa cada vez mais popular tentar reduzir a Igreja a uma simples "construção", coisa feita por mãos meramente humanas. E, em contraste a esta "instituição", esta "coisa de homens", esta obra visível, haveria uma outra, invisível, esta sim pura, autêntica, livre de preceitos, etc.

Nada mais enganoso e tentador.

[]'s