/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

quinta-feira, setembro 18, 2008

A volta de Capitão Obvious


Capitão Obvious, o super-herói que cuida da qualidade dos comentários enviados a este blog, esteve um pouco afastado. Não estava de férias, claro, pois, como todos sabem, super-heróis não tiram férias. Disse-me ele que não estava dando muito as caras por aqui porque, ao que parece, os comentaristas resolveram se policiar mais. Infelizmente -- e ele me contou isto meio preocupado --, sempre há os que não aprendem.

Bem... O caso é que Capitão Obvious voltou porque apareceu em minha caixa de mensagens o texto abaixo, enviado, como quase sempre acontece, por um anônimo. Na verdade, uma anönima desta vez.

Eis o texto, na íntegra, do jeito que aqui chegou:

"Gostaria de saber de onde vcs tiraram a idéia que pesquisa com células tronco embrionária é sinonimo de aborto. Um embrião congelado mais cedo ou mais tarde vai ser Jogado fora, sem nenhum escrupulo... pq a hipocresia? Esses embriões podem ajudar a salvar a vida de muita gente,devolver o sorriso de pais q hoje estão desesperados por encontrar uma cura para seus filhos. Vamos pensar nos que já estão aqui tendo uma sobre vida. Quero deixar bem claro que eu sou contra o aborto, ABORTO...obrigada "

Por ignorância ou não, o fato é que a anônima não sabe que, atualmente, quando se fala de pesquisas com células-tronco de embriões humanos, há sempre o descarte do embrião. Ou seja, qualquer pesquisa que seja feita com células-tronco embrionárias equivalem a um aborto. A não ser que anônima ache que o embrião não é um ser humano, só que aí seria o caso de ela provar. O que tem de gente interessada nisto, não é pouca coisa; só que a vontade de tais pessoas não servem para mudar as leis biológicas. Deus sabe o que faz.

Um embrião será jogado fora mais cedo ou mais tarde? Pois é, não deveria. Capitão Obvious ficou pasmo com a passividade da anônima! Ele disse, literalmente: "Fiquei bobo de ver que a anônima, quando está de frente com uma situação errada, simplesmente se conforma e olha para o lado." O capitão disse que talvez ela não entendesse direito o significado da palavra "hipocrisia". Se entendesse -- assim ele me disse --, ela perceberia que deu um tiro no próprio pé.

Bem, bem... Mas o capitão se enfureceu -- ele é meio pavio curto mesmo -- quando a anônima disse que os embriões servirão para salvar a vida sabe-se lá de quem. Isto se realmente servirem... Mas o ponto não é este. Foi quando ele abordava este trecho da mensagem que ele soltou o verbo e desandou a falar:

"Quer dizer que a anônima acha ok salvar uma vida pelo sacrifício de outra? Hummm... Consigo pensar em alguns lugares onde isto já foi tentado e acho que ela mesma não gostaria muito de estar com aquele pessoal. Não consigo pensar qual pai ou mãe pode mesmo sorrir pela cura de seu filho sabendo que, para tanto, foi preciso que sabe-se lá quantas vidas tenham sido eliminadas.

Aliás, já que estamos falando de trocar vida por vida, deveríamos perguntar o que ela pensa de dar sua preciosa vida por, digamos, várias crianças que precisam de transplantes. Segundo a teoria dela, os pais destas crianças irão sorrir um bocado. Que tal aumentar a sobrevida de tais crianças, cara anônima? Ou será que sua teoria "humanista" só serve quando uma parte não tem voz que possa ser ouvida e, desta forma, possa ser classificada como algo a ser "jogado fora"?"


Ele realmente estava furioso. É assim que ele fica quando vê pessoas querendo para os outros o que rejeitariam para si. Ele é coerente. Até a anônima deve concordar com isto...

Mas, logo depois, ele começou a rir incontrolavelmente... Não parava mesmo! Perguntei-lhe o que era. Ele, ainda engasgando de tanto rir, prosseguiu:

"William, William... A anônima, ao final, ainda se diz contra o aborto! Ela acha aceitável matar um embrião, mas ainda quer posar de contrária ao aborto! Hummm... Acho até que estive com ela pessoalmente ontem. É que uma menina ontem se aproximou de mim e disse que estava meio-grávida. Deve ser a mesma pessoa, com certeza. Ah, sim... Teve um outro dia que conheci uma mulher que se dizia de uma organização chamada "Católicas pelo Direito de Decidir". Quando tive mais contato com ela, achei estranho ela se dizer católica e ir contra a maioria dos princípios católicos e até de dogmas. Ao final, achei que ela não queria ser levada a sério mesmo. Deve ser o mesmo com a tal anônima."

Pois é, pois é... O capitão é meio chato mesmo. Ele vê a questão do aborto por demanda como ela realmente é: não é aceitável e pronto. Se você o aceita, por algum motivo, você pode ser tudo, menos contra o aborto.

2 comentários:

Eduardo Araújo disse...

O bom é que no tocante à referida palavra hipocrisia, o texto já nos dá bons exemplos:

1 - a hipocrisia de dizer ser contra o aborto enquanto é favorável à matança de embriões (não importa se estes estão dentro ou fora do ventre materno, são embriões VIVOS do mesmo jeito);

2 - a hipocrisia de dizer ser católico, quando é frontal e acintosamente contra a Igreja Católica;

3 - a hipocrisia das falsas católicas acima de omitirem ser subvencionadas por felpudas verbas de instituições abortistas, como as fundações Ford e Rockefeller, e a rede de clínicas abortistas Planned Parenthood;

4 - a hipocrisia de pretender descartar o termo "aborto", consagrado em nosso idioma, subsituindo-o por expressões eufemísticas como "interrupção voluntária da gravidez" ou "antecipação de parto", cínicas tentativas de camuflar a ignomínia do ato horrendo do qual - ao que parece - eles próprios têm consciência;

5 - a hipocrisia - IMENSA HIPOCRISIA - de evitar os caminhos de uma democracia para IMPOR o nojentíssimo aborto a uma nação que mostra em todas as pesquisas ser amplamente desfavorável à sua legalização;

6 - a hipocrisia de se aventar a ciência para sustentar que a vida começa: no 14º dia; após o 3º mês; no 6º mês; antes do parto; durante o parto; depois do parto; nunca... O que a ciência REALMENTE prova é que já na concepção existe um novo ser vivo, diferenciado dos pais, com DNA próprio e deflagando um desenvolvimento biológico que só culminará na idade adulta;

7 - a hipocrisia de usar pessoas com doenças degenerativas como massa de manobra para aprovar pesquisas com células tronco embrionárias, quando até hoje a única coisa que essas pesquisas conseguiram foi colecionar resultados negativos, com rejeição de tecidos e teratomas. Isso, naturalmente a comprometida mídia brasileira omite, como omite o fato de que as pesquisas bem sucedidas com células tronco referem-se às células ADULTAS, que não têm oposição ética ou religiosa, e que já acumulam mais de 70 protocolos positivos. O que os defensores da matança de embriões fizeram foi extremamente anti-ético e, mais do que isso, desumano. MENTIRAM para essas pessoas, criando uma expectativa nelas de curto-médio prazo, quando as suas pesquisas nem sequer acenam para algum resultado positivo a longo prazo. Cadê os remédios, senhora "anônima"? A sua doutora Mayana afirmou que não fique esperando, porque ela não faz idéia de quando eles aparecerão. Cinicamente, ela disse isso somente depois da votação concluída. Esperta ela, não?

Santiago Chiva, Granada disse...

Este vídeo foi feito para fomentar uma maior aceitação social das crianças na Alemanha. Foi realizado por diversos meios de comunicação privados, dentro de uma campanha que contou com o apoio de personalidades da vida pública, apresentadores de televisão e esportistas que não cobraram cachê pela sua participação. Também receberam o apoio de importantes grupos editoriais e financeiros. Desde a liberalização do aborto no país os dados oficiais falam de quatro milhões de abortos, e não é leviano dizer que a cifra real seja o dobro. Este clima tem provocado que as crianças sejam valorizadas como um efeito não desejado do prazer sexual. Curiosamente, depois da campanha, a natalidade tem crescido na Alemanha. O vídeo é emocionante. Olha aquí: http://es.youtube.com/watch?v=pJtlrYmZe6Y
Santiago Chiva (Granada, Espanha)